O segredo da transferência embrionária

Transferência Embrionária

A transferência embrionária é o fim de uma etapa importante no processo de fertilização assistida. Significa que já ultrapassamos inúmeras barreiras que não poderiam ser testadas antecipadamente e agora vamos finalizar este momento significativo colocando os embriões na sua casa final.

O ato em si da transferência embrionária parece ser muito simples: basta colocar os embriões dentro do útero por exame ginecológico simples, sem sedação ou outro procedimento complicado.

Mas este é o momento que talvez menos conhecemos de todas as etapas obrigatórias a serem cumpridas. É lógico que muito já se avançou, e existem vários detalhes que fazem a diferença: o tipo de cateter a ser utilizado e dificuldades em alcançar a cavidade uterina, o dia da transferência, a espessura endometrial, a suplementação hormonal, cuidados pós-transferência, o estado emocional da mulher, o número de embriões transferidos, e muitos outros detalhes.

Este é o momento final de um processo seqüencial, em que uma etapa depende fundamentalmente que a pregressa tenha ido bem, e isto faz a diferença, porque são interdependentes e o resultado final é a coroação dos resultados parciais de todas elas juntas.

Ou seja, para se ter bons embriões começamos a “cultivá-los“ desde o processo de estimulação ovariana (onde os óvulos serão recrutados), no controle ultrassonográfico (em que observamos como se desenvolvem e quantos são), no desencadeamento do processo ovulatório, na coleta dos óvulos e sua separação para saber quais irão ser injetados, na fertilização, na incubadora com seus meios de cultura, temperaturas controladas, níveis de CO2 e finalmente no acompanhamento do processo de divisão celular, após sua fertilização. Existem vários critérios de escolha para se eleger quais serão os transferidos e com isto estamos tentando dizer: este é o eleito!

Mesmo tendo conhecimento de todo os processos ainda restam muitos pontos a serem descobertos, para que as taxas de gravidez no futuro se tornem próximas à 100%. Para isso, diversos estudos e tecnologias têm surgido, aumentando pouco a pouco essas taxas e a esperança de inúmeros casais.

Dr. Joaquim R.M. Coelho (CRM: 42.069)
InFert – Instituto de Fertilização Assistida
www.InFert.com.br

Você pode deixar um comentário, ou trackback do seu site.

6 comentários

  1. cristiane disse:

    posso escolher os sexo dos bebes e mesmotendo as trompas cortadas posso fazer a seminacao

  2. Angela disse:

    Ólá, gostaria de saber se como escolher o sexo do bebe no meu caso uma menina obrigada.

  3. Renee disse:

    Quais os critérios para não transferência de embriões diante um caso que progrediu com a Síndrome de hiperestimulação ovariana?

  4. Equipe InFert disse:

    Olá Cristiane,

    A Sexagem embrionária, ou seja, a escolha do sexo dos embriões que serão transferidos só pode ser feita em casos onde há doenças genéticas ligadas ao sexo. Ou seja, se você possui alguma doença genética que justifique a seleção a Legislação permite que realizemos. Contudo, se não houver essa condição não podemos realizá-la.

    Mesmo sendo Laqueada existe a possibilidade de realizar a Fertilização in vitro. Isso porque retiramos os óvulos direto do ovário e depois transferimos os embriões no útero, não utilizando as trompas.

    Se tiver mais dúvidas entre em contato.
    InFert – Instituto de Fertilização Assistida
    16 3625 6865
    16 3625 4737
    http://www.infert.com.br

    Atenciosamente,
    Equipe InFert

  5. Equipe InFert disse:

    Angela,

    Como enviado à Cristiane, a Sexagem embrionária, ou seja, a escolha do sexo dos embriões que serão transferidos só pode ser feita em casos onde há doenças genéticas ligadas ao sexo. Ou seja, se você possui alguma doença genética que justifique a seleção a Legislação permite que realizemos. Contudo, se não houver essa condição não podemos realizá-la.

    Atenciosamente,
    Equipe InFert
    http://www.infert.com.br

  6. Equipe InFert disse:

    Olá Renee,

    A transferência de embriões nesse caso pode gerar o risco de uma Síndrome da Hiperestimulação Ovariana grave e disfunção do metabolismo, com risco de vida. A avaliação é realizada pelo médico antes da tranferência, de acordo com o número e tamanho dos folículos obtidos pela estimulação.

    Se tiver mais dúvidas entre em contato.
    http://www.infert.com.br

    Atenciosamente,
    Equipe InFert

Deixe um comentário

*